Como a HBO deveria adaptar The Last of Us Parte II

Marcos André
15 Min Leitura
Last of Us Parte II e Série Last of Us

Com a adaptação da HBO de The Last of Us, a série foi renovada para uma segunda temporada.

Embora tenha sido falado que a segunda temporada irá se desviar de alguma forma dos jogos, a partir de agora, ela está definida para acompanhar os acontecimentos de The Last of Us parte II.

The Last of Us parte II é um jogo que causa divisão entre os fãs. O jogo foi um sucesso, ganhando um Vitória no Jogo do Ano assim como no jogo original, mas a narrativa incomodou muitos jogadores.

Devido a uma escolha importante e controversa, muitos fãs do jogo original ficaram chateados com a direção do segundo jogo. Isso dificulta a adaptação do jogo, mas há algumas coisas que o programa poderia melhorar.

10 – The Last of Us conta uma história enorme, mas o ritmo está errado

A série da HBO poderia contar a história da sequência do jogo ao longo de mais de uma temporada.

Como a HBO deveria adaptar The Last of Us Parte IIUma das maiores reclamações sobre The Last of Us parte II foi o ritmo. O jogo não só é significativamente mais longo que o original, mas também salta demais.

Alguns fãs ficaram descontentes por terem que interpretar Abby, a mulher que assassinou Joel. Embora a história desse personagem seja igualmente importante que a de Ellie, a série precisará estabelecer isso muito mais rapidamente.

Porque a maior parte jogo focado na trama de Ellie em busca de vingança até aquele ponto, mudar para Abby parecia chocante. Ser forçado a jogar como ela revelou a história e as motivações de Abby, mas alguns jogadores acharam difícil se conectar com ela.

Se a HBO quiser que Abby seja uma personagem mais simpática, eles precisarão abrir mão do ritmo lento do jogo e apresentar suas origens de uma forma que gere empatia nos espectadores.

9 – Nenhum personagem deve ser visto matando cães na série

Até as mortes de animais na ficção podem ser perturbadoras e desnecessárias.

Como a HBO deveria adaptar The Last of Us Parte II

Enquanto mortes de animais se tornaram um tropo de terror comum, é um tropo que a maioria dos fãs de terror odeia. Infelizmente, The Last of Us parte II não parecia se importar muito com isso porque há vários casos em que o jogador tem que eliminar cães de guarda.

Matar o cão de guarda é essencial para o sucesso, mas muitos fãs dos jogos ficaram incomodados com isso.

Como a morte de animais é um gatilho facilmente evitável, é melhor que a adaptação para a TV pare de matar mais cães. Também seria bom se os jogos também removessem esse tropo.

8 – Tommy saindo para caçar os assassinos de Joel sem Ellie

Dividir os personagens seria ruim em The Last of Us

Depois que Abby mata Joel na frente de Ellie, Ellie planeja perseguir Abby e matá-la. No início, Tommy tenta dissuadi-la, mas quando Tommy percebe o quão dedicada Ellie está de acordo com o plano dela, ele concorda em ajudar.

Tommy “ajudando” está saindo sozinho para perseguir Abby. Esta foi uma decisão estúpida. Ele não apenas estava partindo sem apoio, mas também acreditava que Ellie ficaria onde estava e o deixaria lidar com isso.

Também parecia uma traição de confiança quando Ellie precisava de apoio mais do que qualquer coisa.

7 – The Last of Us Parte II não desenvolveu totalmente todos os personagens

A segunda temporada da série da HBO deve pular esses personagens ou aprofundar suas histórias para prolongar a vida útil da série.

Como a HBO deveria adaptar The Last of Us Parte IIUm dos maiores erros parte II feito estava dividindo demais seu foco. O jogo original funcionou porque se concentrava em Joel, Ellie e em seu crescente relacionamento familiar.

Foram muitos personagens ao longo do jogo, eles conseguiram seu devido espaço na narrativa. Mesmo que o segundo jogo tenha sido mais longo que o primeiro, personagens totalmente realizados não teriam subtraído o foco principal.

parte II introduziu muitos novos personagens em geral. Entre os amigos de Ellie e os de Abby, muitos personagens aparentemente importantes acabaram deixados de lado.

Lev e Yara são dois exemplos de personagens interessantes, mas subdesenvolvidos, que poderiam ter causado mais impacto. Jesse, amigo de Ellie, é outro exemplo.

O jogo se concentrou tanto na história de Ellie e Abby que deixou de lado todos os outros personagens proeminentes, então, esperançosamente, o programa não cometerá o mesmo erro.

6 – A série da HBO deve reconsiderar a gravidez surpresa de Dina e como ela é revelada

A gravidez desempenha um grande papel em The Last of Us, mas a história de Dina não ficou melhor por causa disso.

No início do jogo, Ellie se reúne com Dina. Embora Dina não saiba, ela está grávida do bebê de Jesse como resultado do relacionamento recém-terminado.

O casal não descobre que Dina está grávida até o final da jornada para rastrear Abby. Apesar disso, eles continuam sua perigosa busca de qualquer maneira.

Esse ponto da trama pareceu um pouco desnecessário, porque a tensão adicionada não era significativa. Era para ajudar a queda de Ellie na obsessão e, eventualmente, oferecer-lhe alguma clareza moral.

Apenas a revelação parecia simplesmente ridícula. Depois que Dina admitiu sua condição, os dois seguiram em frente teimosamente, apesar dos riscos.

O mesmo poderia ser alcançado na série talvez apenas com um susto de gravidez, ou Ellie deveria mandar Dina para casa ao descobrir.

5 – Matar Jesse era para ser um choque, mas parecia um desperdício

A primeira temporada fez com que cada morte parecesse importante

Como a HBO deveria adaptar The Last of Us Parte II

Eventualmente, Jesse deixa a segurança de sua cidade para seguir Ellie e Dina. Ao fazer isso, Jesse morre quando Abby atira na cabeça dele.

O pior é que a morte aconteceu tão rápido que foi chocante, mas não teve a importância que deveria ter o assassinato do pai do filho de Dina.

Se um terceiro jogo surgir ou a série continuar além da narrativa dos jogos, a criança só saberá que seu pai morreu de uma morte sem sentido por causa da mesquinha crueldade humana.

Jesse era um personagem gentil e simpático que colocava seu povo acima de si mesmo, uma raridade no mundo de The Last of Us. Ele foi atrás de Ellie e Dina para protegê-las, pois ainda se importava com ela.

Ele poderia tê-la abandonado para ser rancorosa, mas não nutria esse tipo de raiva. Matá-lo minou o arco de Ellie, porque reforça a ideia de que neste novo mundo gentileza é fraqueza.

4 – The Last of Us Parte II tem muitos antagonistas

A segunda temporada pode ser um fracasso se tentar trazer muitos personagens.

Embora a história principal fosse sobre vingança e como Ellie seguindo os passos de Abby estava repetindo um ciclo sem fim, tanto Ellie quanto Abby eram personagens principais.

Muitos fãs discutem se Abby é uma vilã, enquanto outros apontam que Ellie é sua pior inimiga. Como a narrativa entre essas duas mulheres era forte, elas não precisavam dar tanta ênfase ao perigo externo.

Existem vários grupos inimigos que os jogadores devem enfrentar e que têm nada a ver com Ellie ou Abby. Embora proporcionem uma jogabilidade desafiadora, eles não acrescentam muito à narrativa.

Muitos fãs sentiram que o jogo estava tentando fazer muito, então isso é algo que o programa deveria estar atento.

A 1ª temporada de The Last of Us pulou muitos momentos projetados apenas para permitir que os jogadores matassem coisas. Esperançosamente, esses vilões estranhos não serão eliminados.

3 – A série da HBO deveria abandonar o momento em que Ellie mata uma mulher grávida

Ellie cruza uma linha importante em sua queda rumo à obsessão em The Last of Us

Como a HBO deveria adaptar The Last of Us Parte II

Quando Ellie finalmente chega a Seattle, ela se depara com alguns amigos de Abby. Sabendo que Abby está tão perto, Ellie fica desesperada para chegar até ela. Isso resulta em Ellie confrontando Owen e sua namorada grávida, Mel, e interrogando-os.

Isso resulta em Ellie matando os dois. Só depois da morte de Mel é que Ellie percebe o que fez. Matar Mel deveria espelhar Dina, namorada grávida de Ellie, e mostra a Ellie que ela foi longe demais.

Embora isso funcione porque Ellie percebe que monstro ela se tornou, é uma cena difícil de assistir. Os jogadores se sentiram responsáveis ​​pela morte de Mel.

Se o programa decidir manter essa narrativa, será difícil lidar com ela com o cuidado necessário. Muitos espectadores não vão tolerar isso.

2 – A série da HBO será odiada se a morte de Joel não for tratada corretamente

Matar Joel foi polêmico, mas como aconteceu, foi o motivo para os fãs pedirem revisões para a Parte II

Embora a morte de Joel tenha que acontecer para a narrativa de The Last of Us parte II, como o jogo foi deixou os fãs fervendo de raiva.

Abby não apenas perseguiu Joel e depois se comprometeu a matá-lo depois que ele salvou a vida dela; Abby espancou-o lentamente até a morte, torturando-o na frente de sua filha substituta. Ninguém quer ver isso acontecer com o ator Pedro Pascal.

A morte de Joel foi abrupta e horrível de assistir. A situação ficou pior porque os fãs nunca imaginaram que isso aconteceria, e Ellie foi pressionada e forçada a assistir Abby esmagar a cabeça de Joel com um taco de golfe.

Embora Joel ainda precise morrer pela história, a série não deveria se dedicar a esses “momentos de videogame” chocantes.

Talvez permitir que ele viva mais do que o jogo ajudaria a facilitar a entrada dos espectadores na narrativa, e reduzir a brutalidade poderia tornar os fãs mais receptivos ao motivo de Abby para fazer isso.

E os fãs sempre podem esperar mais Pedro Pascal como Joel em flashbacks.

1 – A introdução de Abby na segunda temporada de Last of Us deve ser única

Os jogadores da Parte II conheceram Abby quando ela matou Joel, e esta foi uma má introdução para um personagem de jogador.

Os jogadores eventualmente descobrem que Abby é uma pessoa decente, pelo menos comparável aos heróis do jogo.

Ela se preocupa com seus amigos e trabalha duro para proteger seu assentamento tanto de pessoas infectadas quanto de pessoas perigosas.

Sua motivação para matar Joel é a mais justa possível. O nome dela é Abby Anderson e Joel matou o pai dela (o médico Firefly trabalhando em Ellie), então ele deveria se preparar para morrer.

Infelizmente, quando os jogadores aprendem isso, já é tarde demais. A essa altura, a maioria deles odiava Abby, e nenhuma quantidade de demonstração de que ela era uma boa pessoa mudaria o que sentiam por ela.

Sua introdução é desleixada porque os jogadores a veem em meio à caça, sem ter ideia de quem ela está caçando ou por quê. Para alguns jogadores, o que Abby fez com Joel foi imperdoável mesmo com o novo contexto.

A série deve adotar uma abordagem “com cartas abertas” para a história de Abby, especialmente porque a maioria dos telespectadores saberá que a morte de Joel está chegando.

A série deve começar mostrando ao público como o herói da primeira temporada pode ser vista como uma vilã. Dessa forma, quando Abby se vingar, os espectadores ficarão menos chocados e irritados (e inclinados a odiá-la).

Como a HBO deveria adaptar The Last of Us Parte II The Last of Us

Situado em um mundo pós-apocalíptico, The Last of Us segue um sobrevivente endurecido e seus aliados, incluindo uma garota imune, Ellie, e uma ex-soldado, Abby.

  • Criado por Neil Druckmann, Bruce Straley
  • Primeiro programa de TV The Last of Us
  • Data de exibição do primeiro episódio 15 de janeiro de 2023
  • Elenco Pedro Pascal, Bella Ramsey, Nico Parker, Anna Torv
  • Programas de televisão The Last of Us
  • Jogos The Last of Us, The Last of Us Parte I, The Last of Us Parte II , The Last of Us: Remasterizado, The Last of Us: Left Behinf

Siga-nos no Google News para receber as últimas notícias!

Compartilhe este artigo